segunda-feira, 24 de junho de 2013

Aqui fala-se de moda! #10

Estava a trocar ideias com o meu mais-que-tudo sobre que calçado ele usar para este calor (proibidíssimo sapatilhas!!!), até que me lembrei que as alparcatas estão super, mega in este verão.
E lembrei-me que vi qualquer coisa no Jumbo.
Colecção de senhora (as minhas favoritas):




E as de homem:


Provavelmente já todos viram mas, para quem se esqueceu nos entretantos, fica aqui a ideia. Muiiito baratinhas.

sábado, 22 de junho de 2013

Fiona em parceria com o IKEA

Chinelos IKEA: 2€. Trouxemos três pares. Algo me dizia que não seria demais.

sexta-feira, 21 de junho de 2013

Nunca entendi muito bem...

... aquelas pessoas que provocam filas intermináveis, nos supermercados, por dedicarem o seu tempo a ensacarem produtos que, por norma, já trazem alas/asas, tais como as embalagens de papel higiénico, garrafões de água...).
Porquê?
Expliquem-me!

Não é tão óbvia a existência daquela fitinha ali agarrada ao plástico?
Não, não é meramente decorativa!

quinta-feira, 20 de junho de 2013

Olha para o que eu digo e não para o que eu faço!

Anteontem estava refastelada no sofá e, como tal, com preguiça para me levantar e ir buscar o comando. Estava na RTP1. Eu não vejo RTP1. Tenho as minhas razões. E essas começam pela Catarina Furtado, passam pelo Fernando Mendes, alguma culpa, também, do telejornal e por aí adiante. Acontece que estava a dar uma reportagem (a meu ver, quem fez aquilo, devia saltar directamente para o desemprego, mas isto sou eu a falar). Basicamente, era uma reportagem sobre os perigos do facebook e os papás que alertam os seus filhotes da malícia dessa rede social e que os controla (para bem deles, claro) e que sabem as senhas das contas, que os proíbe deles postarem fotografias deles mesmos (e os filhotes, lindos, concordam) e blá, blá, blá.
Nisto, estão os pais sentados no sofá a dar a entrevista, enquanto contam como se conheceram.
Muito rapidamente, ela morava na cidade x, ele na y. Ele começou a falar com ela no chat (sem a conhecer de parte alguma) mas ela, nesse dia não pôde porque tinha um problema no computador e tinha de desligá-lo. Não falaram nesse dia mas falaram no seguinte. E passada uma semana, ele foi ao local de trabalho dela (um banco) para conhecê-la e passada uma semana estavam a namorar e passado um mês estavam a morar juntos e estão juntos há coisa de quinze anos (mais coisa, menos coisa). Não digo que foi assim que a senhora descreveu exactamente a situação mas muda uma virgula aqui e uma palavrita acolá e foi isto.
Nesta altura, eu já devia ter mudado de canal mas a preguiça falou mais alto.
Agora, eu pergunto-me: Qual foi a moral desta entrevista?
-Alertar para os perigos do facebook? Mas o papá e a mamã conheceram-se por lá e, a ver bem, estão juntos e felizes há quinze anos.
-Olhar para o que os papás dizem mas não para o que eles fazem?
Entrevista profunda, a meu ver e muito educativa, diga-se de passagem.
Só mais uma coisinha: No meio de tantos pais protectores, não havia um casalinho que se voluntariasse para dar entrevista? Ah, e que, já agora, não se tivessem conhecido através desta rede social? Já que é dos perigos desta que se estava a falar...
Digo eu...

terça-feira, 18 de junho de 2013

1001 palavras!!! #29


Diálogo a não esquecer: Nunca!

Breve momento explicativo entre o meu mais-que-tudo e a nossa Fiona.
Ele: Fiona, em primeiro lugar, a tua dona, depois eu e depois, lá em baixo, tu.
Percebeste?

Não podia ficar mais orgulhosa.

Eu tenho uma opinião! Todos temos!

O povo português, pelo que me tenho apercebido, há-de ser o único povo neste planeta que tem opinião para tudo. Mas tudo mesmo. Acerca do tempo, acerca do que a,b ou c veste, acerca de como se passeia o cão, acerca do nosso emprego, do nosso marido, da nossa casa... Isto também é assim quando uma pessoa empranha? É que se eu já ouço 3.425 comentários de como passear a cadela (ou se devo passeá-la ou não), eu nem imagino os comentários que chovem sobre uma pobre mãe. Para já, eu só quero educar o meu animal de estimação, à minha maneira.
Pode ser?
E quando eu empranhar, posso educar a criança sossegada?
Digam que sim, vá!

segunda-feira, 17 de junho de 2013

sábado, 15 de junho de 2013

Algo pouco provável... mas que pode acontecer. E aconteceu!

Estava eu e o meu mais-que-tudo a passear a querida (e parva) Fiona até que ela se lembra de se atirar para as minhas pernas. Deu-me cabo das calças e fiquei com os caninos bem marcados na canela. Tudo normal até aqui não fosse uma senhora (já nos seus cinquenta anos e, portanto, com idade para ter juízo) rir-se li-te-ral-men-te na minha cara. Riu-se às gargalhadas e riu-se tanto que pôs a mão à frente da boca (talvez por  ter finalmente percebido que já estava a ultrapassar os limites da decência). Enquanto isto, um velhote, mais atrás a olhar para nós (com cara de idiota) enquanto repreendíamos a cadela.
E é assim o pessoal desta vila que é Aveiro.

sexta-feira, 14 de junho de 2013

A Fiona está de parabéns

Completou dois mesinhos hoje.
Ela já ladra;
Ela não tem medo absolutamente nenhum de água (se a convidasse para tomar banho comigo, ela vinha);
Ela já não tem medo do secador, já lhe ladra e morde-o;
Ela já não tem medo do aspirador (pelo menos, enquanto este está desligado);
Ela já me deixa dormir mais um bocadinho de noite;
Ela está mais gordinha e mais fofinha (e mais parvinha).




Dúvida existencial

Porque é que as minhas ex-coleguinhas de escola, todas boas (naquela altura e ainda agora) acabaram por ficar com gajos onde a beleza não é, de todo, uma característica assumida?
Não entendo...

quinta-feira, 13 de junho de 2013

Vai daqui um grande beijinho ao Cesar Millan...

... por todas as dicas que tem dado ao longo dos seus programas. Tenho a certeza que daqui a uns meses veremos resultados. Para já, a pequena já se deixa passear para além do percurso casa-jardim-casa e já nos deixa dormir mais horas de noite. Podemos avançar no tempo e ela passar a ter cinco meses?


A SIC vai produzir algo nunca antes visto!

Deixar de passar o Fama Show (programa que me desperta a sonolência de domingo à tarde) e deixar, também, de passar a "nossa" Daniela Ruah (como eles tanto gostam de afirmar) para... emitir mais um programa pimba pelas aldeias do nosso Portugal. E não fosse a ideia por si só já... fantástica, ainda vamos levar com aquela merda das 14h às 20h. Sim, senhora... Os meus parabéns à SIC pela sua originalidade.

terça-feira, 11 de junho de 2013

Vamos aquecer a tarde em modo facebookiano

Não resisti e trouxe apenas um bocadinho do que invade o meu facebook todos os dias.
Vejamos:


-Querida amiga maravilhosa paulinha quando kiseres dizer alguma coisa estou aqui minha linda... nao tenho culpa da tua popularidade e que conhecam cada furo do teu corpo... a minha familia sempre me ensinou a dar as coisas que ja nao usamos aos mais necessitados... e com a mesma hipocrisia e falsidade que me tratas te e com essa mesma que levaras para o resto da vida. E melhor t actualizares e para nao correres o risco kd andares com alguem e melhor perguntares se e meu amigo pk e de lamentar o desespero deles quando sabem quem tu es.

-Que tempinho... nem da vontade de sair da cama... k seca... saudades do sol e do mar do meu portugal... mas sem nenhumas da minha terra. Apenas da minha Liliana e da minha avo.



-Parece que morri neste casamento... sinto me como um fantasma.

-KC... es a minha linda... adoro a tua teimosia a tua personalidade. Meu amor lindo vamos la fazer a nossa tattoo conjunta boneca vamos formar ideias sim?


-Nao to pa ninguém...

quinta-feira, 6 de junho de 2013

Uma coisa que tem mesmo muiiita piada...

... é a forma como introduzem um breve momento publicitário numa cena de telenovela. Giro, não?!

A minha chefe disse-me que estava muito chateada comigo porque eu saí depois da hora, duas vezes! Uma, pronto, tudo bem que estava uma confusão tremenda na loja mas a outra... sinceramente...
Eu cá, também acho. É motivo para ficar chateadinha. Talvez se eu sugerisse sair mesmo à horinha certa, certinha, ela ficasse bem mais contente.

quarta-feira, 5 de junho de 2013

A Fiona que também podia chamar-se Refilona, que não fazia diferença nenhuma

Na rua, toda ela parece um amor, um anjo, sociável, beijoqueira e super à vontade desde com a criança mais parvinha até à velhota mais pintada e histérica.
Já em casa, as coisas não têm sido bem assim. Ela dorme e acorda quando bem quer, ela faz aquele ganir estridente quando quer, ela faz o xixi e cocó quando e onde quer, ela morde e trinca o que quer. Já li toda a informação disponível no google acerca da raça dela, já pedi mil opiniões. Uns dizem que é muito cedo para a treinar, outros dizem que mais vale começar já. Uns dizem que é da própria raça, ela é despistada por natureza, outros dizem que é por ser ainda pequenina.
A verdade é que temos feito das tripas coração para ver se domesticamos a Princesa Fiona e, pelo menos, a pequena tentar acertar nos xixis e cocós (e que roa o que lhe apetecer que eu já não exijo muito). Mas temo que toda a educação que lhe damos, seja posta abaixo sempre que a levamos à rua. Eles pegam nela sem pedir, eles chamam-na como se fossem donos dela, eles emitem opiniões:
-É um cão!
-É uma cadela.
-Não, é um cão.
-É uma cadela. É a Fiona!

Ou algo do género:
-Ela deve ter uns dois meses.
-Sim, quase.
-Ela não pode andar na rua tão nova. O veterinário deve ter-lhe dito isso...
-fjgojsadhoeiwnforgjfdhohfdogi

Estimados, se querem assim tanto alguém para mimar, para levar à rua ou não, para questionar a sexualidade do mesmo, VÃO AO CANIL MAIS PRÓXIMO! ESTÃO LÁ MILHARES A PRECISAR DE MIMO QUE NÃO SE IMPORTAM QUE LHES TROQUEM O SEXO OU QUE OS LEVEM OU NÃO À RUA!!!
Agora, não me venham é dizer o que devo ou não devo fazer com o que é meu!

É nesta altura que nós aproveitamos para descansar. Quando a bicha está mesmo ferradinhaaaa. Xiu! :)

terça-feira, 4 de junho de 2013

Aqui fala-se de moda! #8

Haja dinheiro...
Bershka.







Prós e Contras - Cansados de tudo

Ontem, enquanto me deitava, pus a vista ao que se passava neste programa. O meu homem dizia que estava a gostar, que o programa estava porreiro, comentadores porreiros, gente do povo, etc e tal.
Eu lembro-me de pensar: Sim, gente do povo a dar-lhe forte e feio nas críticas ao governo. A ideia de uma greve geral estava em cima da mesa.
Mas... sou só eu que vejo que, quer façam 1000 programas Prós e Contras, quer façam 1000 manifestações, o mal não muda e não? A malta até pode queixar-se, até podem ir para a rua mas a escumalha política permanecerá porque nós somos um povo pacífico. Na altura das eleições, lá estaremos nós nas esplanadas, de fim-de-semana não sei onde, nas praias... e se alguém nos perguntar "então, não vais votar?" a resposta será sempre algo deste género "para quê?".
Tenho um conhecido meu que me disse uma vez que este país só se safava com uma bomba no Parlamento. Eu não posso concordar mais com o pensamento dele. São tantos à chulice, tantos à boa vida que isto não vai lá de forma pacífica. Mas Deus me livre de estar aqui a sugerir uma bomba no Parlamento (se alguém se chegar à frente...).
Não sei se sou a única a pensar que jamais deveríamos ter deixado a antiga moeda, que jamais deveríamos ter abandonado os sectores primário e secundário e podia continuar a falar de tantas barbaridades cometidas ao longo das ultimas décadas.
Isto tudo para dizer: Não me melguem com comentadores da treta a meio dos telejornais, não me melguem com programinhas de merda anti-governo porque isto só me dá urticária e, algumas vezes, pesadelos e noites mal dormidas. Não sei quem é que gasta tempo a dar audiência a esta gente, não sei se realmente pensam que algum dia as coisas irão mudar (para melhor).Guardem o vosso tempo a fazer algo que vos faça sorrir ou que mude realmente este sistema.


Eu sei que o que escrevi é aborrecido e tal mas detesto mesmo este tipo de programas e o tempo de antena que lhe são dados. Como se isto fosse mudar alguma coisa

segunda-feira, 3 de junho de 2013

Estou prestes a desistir do Verão...

Não porque não acredite na existência dele (aliás, hoje está cá um bafo) mas porque não quero parecer uma baleia a dar à costa.
E não me digam que basta parar de comer porcarias. Como se isso fosse fácil...

Um dia eu vou ser uma pessoa magra. Sem ver a morte à frente sempre que subo umas escadas. Um dia...